(placeholder)

Para cima

Fogo-Amigo - 21 de Outubro de 1904

Incidentes em Dogger Bank

Bibliografia


Friendly Fire: Russia's Doomed Baltic Fleet & the Dogger Bank Incident of 1904


https://www.warhistoryonline.com/instant-articles/russias-doomed-baltic-fleet.html?utm_source=getresponse&utm_medium=email&utm_campaign=warhistoryonline&utm_content=%5BWar+History+Online%5D+Daily+Dispatches


Graphic Firing Table

http://firedirectioncenter.blogspot.com/2011/05/decisive-battles-tsushima-strait-1905.html



Gamecock Fishing Fleet - 22 de Outubro de 1904

No Verão de 1904 a Marinha Russa teve de enviar a Esquadra doi Báltico para o Mar do Japão, para auxiliar a esquadra do Extremo-Oriente em Porte Arthur.


No entanto, a Esquadra do Báltico apresentava várias deficiências mesmo antes de zarpar, em especial o problema de formar guarnições experientes para os navios. Muitos dos marinheiros engajados nunca tinham navegado em navios de guerra por se tratar de um navio lançado ao mar apenas alguns meses antes do início da guerra (Fevereiro 1904).


Outra questão que se levantou foi o rumor da existência de navios torpedeiros rápidos japoneses escondidos na costa do Báltico da Dinamarca e nos fiordes da Noruega no Mar do Norte, ou ainda a existência de minas espalhadas no Mar Báltico à espera que um navio russo embatesse.

Este nervosismo das guarnições russas, em muito ligado a rumores derivados dos nervos e da inexperiência dos homens embarcados, levou a que na noite de 21 de Outubro na zona do Dogger Bank, Mar do Norte, com o nevoeiro e a consequente falta de visibilidade se gerasse uma situação de pânico que levou a que a observação dos projectores de luz e foguetes luminosos fossem confundidos com um ataque de artilharia japonesa.


Isto aconteceu com o couraçado Oryol que disparou perto de 500 tiros sobre o “inimigo”, que não era mais do que outros navios da Esquadra Russa, tendo atingido o cruzador Aurora e o cruzador-blindado Donskoi.


O couraçado Aurora foi atingido abaixo da linha de água e dois marinheiros russos tiveram morte imediata, não se conhecendo o número de feridos. O fogo do Oryol sobre o Aurora durou cerca de 25mn, e a situação evoluiu para a preparação de uma abordagem, quando finalmente foi ordenado o cessar-fogo.  


Na realidade tratou-se de uma situação de pânico que causou “friendly-fire” e de facto não existiam navios japoneses no Mar do Norte.


Cruzador Aurora

Couraçado Oryol

No tmbém conhecido como "Incidente de Hull", o causmador da situação foi mais uma vez o denso nevoeiro que cobria a flotilha de pequenos navios pesqueiros britânicos, a “Gamecock Fleet”, que estavam na faina a 60 milhas de Hull, na costa norte de Inglaterra. Como os arrastões estavam com as redes no mar não tiveram tempo de se afastarem da esquadra russa que se aproximava.


Três dos arrastões foram atingidos por fogo de artilharia russa: o Crane, o Mien e o Moulmein. Houve dois mortos e muitos feridos entre os pescadores ingleses.


O que minimizou o incidente foi o facto do nevoeiro impedir qualquer precisão de tiro e como tal a situação não foi mais grave.


Existem notícias de outros incidentes entre a Esquadra Russa e navios pesqueiros no Mar do Norte, sem confirmação e ainda uma notícia do cruzador-auxiliar russo Kamchatka ter bombardeado quatro vezes a localidade inglesa costeira de Hartlepool, onde alegadamente terão falecido 10 civis e causado inúmeros feridos. Esta notícia em conjunto com o incidente de Dogger Bank causou um impacto político e extremou as relações com a Rússia quase até a um ponto de estado de guerra.


A Esquadra Inglesa chegou a ser  preparada para sair, o que não veio a acontecer, mas a questão diplomática levou a que o Canal do Suez ficasse fechado à passagem da Esquadra Russa do Báltico, o Almirante Zinovy Rozhestvensky tivesse de acostar no porto de Vigo para deixar para trás vários oficiais para serem submetidos a um inquérito internacional.




Almirante Zinovy Rozhestvensky

(1848-1909)

Comandante da Esquadra do Báltico

Cruzador-blindado Dmitrii Donskoi (1883)